O Brasil tem uma das maiores taxas de partos cesáreos do mundo, e ela tem aumentado. Se a cesárea nos primórdios era usada para salvar a vida do bebê em caso de óbito materno, hoje ela é utilizada em função de uma complexa soma de necessidades e justificativas: diminuição da dor, preferências médicas, planejamento de férias e feriados, controle do tempo, complicações maternas, e experiência positiva anterior.

Dados do SUS (Sistema Único de Saúde) registram 37.8% de partos cesáreos no ano 2000 e  43.2%. em 2010. Nos países que fazem parte da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, o índice de partos cirúrgicos é em média a metade do verificado no Brasil. É importante lembrar que a Organização Mundial da Saúde preconiza 15% de partos cirúrgicos. O que fazer com a inequívoca associação entre porcentual de cesáreas  e aumento de recém-nascidos com baixo peso e desconforto respiratório? As UTIs neonatais equipam-se cada vez mais.

Estudos mostram que os partos vaginais se distribuem mais homogeneamente pela semana, com uma pequena diferença aos domingos. No caso dos partos cesáreos é evidente a concentração nos dias de semana. Entre 2001 e 2010, os  partos no domingo de modo geral diminuíram: em 2001 havia em média 111.35 partos a menos que nos outros dias, e em 2010 essa diferença aumento para 143.10.

A medicalização do parto é uma aberração no Brasil, embora tenha aumentado no mundo inteiro. Alguns países como Porto Rico lançaram campanhas que denunciam a intervenção desmedida no processo de parto. O video é preciso e de apelo popular e para assisti-lo basta clicar no link abaixo. A duração do video é de 4 minutos e a mensagem, em ritmo de hip hop é em espanhol e com legendas na mesma lingua.

Como una colaboración de los artistas Carlos Padilla Caraballo (cantautor) y Misael González (música), la campaña inne-CESAREA.org cuenta con una canción lema titulada Cesárea Innecesaria. En la canción participa el Coro del Recinto de Ciencias Médicas de la Universidad de Puerto Rico y la intervención especial de la estudiante de salud pública Nuriyeh McLaren, quien también es miembro del Coro. Clique aqui para abrir o vídeo

Algumas gestantes e alguns casais na contra-mão do status quo continuam apostando na potencia  do corpo feminino para parir e buscam profissionais, competentes, que apostam no parto vaginal. Ou seja, profissionais que indicam a cesariana de forma criteriosa e apenas quando necessária, em função da saúde do binômio mãe e bebê. No curso de Preparação para o Parto e Cuidados com o Bebê a gestante e seu parceiro afinam escolhas em relação ao processo de parto e nascimento.