A volta ao trabalho após a licença maternidade é um desafio para toda a família.

No primeiro trimestre pós-parto, também conhecido como 4º trimestre de gestação, há uma relação “quase” sem limites entre mãe e filho. Eles precisam continuar quase “grudados” para que aconteça um segundo nascimento: o nascimento do bebê para o mundo… A mãe “gruda” para conhecer, para decodificar, para alimentar, para cuidar e para que o bebê, no contato com ela, se torne mais familiar. Recém-separado do corpo materno, o recém-nascido precisa de um adulto “quase” grudado para se organizar frente a mudanças de temperatura, fome, falta de contato, excesso de contato, barulho, luz…

Assim, o bebê vai ganhando confiança no mundo e lá pelo 3º mês, ou antes, ele começa a sorrir quando sorriem para ele, a se interessar pelos objetos do mundo, a se comunicar. A rotina está mais estabelecida e o bebê já faz parte da família. A mulher consegue respirar, olhar para o seu parceiro e para o mundo, para além do filho.

A volta ao trabalho após 120 dias impõe uma separação precoce para a dupla mãe e bebê.

A licença de 180 dias é mais orgânica e atende melhor às necessidades da família. Mas seja com um tempo extendido, seja quando não vê a hora de voltar para o mundo do trabalho, as mulheres sentem um inevitável mal estar quando chega a hora de deixar o bebê aos cuidados de outra pessoa por um tempo maior.
Agora é ela que se separa do bebê…
Por outro lado, na volta ao seu posto de trabalho nem sempre há uma volta para o mesmo lugar. As mudanças são lentas e ao mesmo tempo muito rápidas no mundo corporativo.

Mãe e bebê precisam de tempo.
Algumas dicas talvez possam ajudar:

– Desde os primeiros dias pós-parto a mulher precisa aprender a pedir ajuda e aceitar ajuda.

– É desejável que tome o parceiro como cúmplice e aceite o fato de que ele não vai cuidar do bebê exatamente do mesmo jeito que ela. Ainda bem, não?

– Achar que irá resolver tudo sozinha é uma armadilha que toda mulher deveria evitar.

– A mulher precisa descansar quando o bebê está dormindo. Descansar é mais importante que manter a casa impecável.

Depois é dar tempo ao tempo para superar um desafio que não é dos mais fáceis. A necessária separação entre pais e filhos para o crescimento de todos.


Você pode se interessar pelo texto: Amamentação: a volta ao trabalho.

Saiba mais sobre a Roda de Pais e Mães coordenada pela psicanalista Anna Mehoudar