A escolha do pediatra que acompanhará a primeira infância da criança é da maior importância para os pais.
O ideal é que pai e mãe possam escolher o profissional em momento de maior serenidade, isto é, sem o filho no colo precisando de ajuda médica.

A nossa sugestão é que a primeira consulta ao pediatra seja feita ainda na gestação. Cada vez mais, pais e profissionais adotam essa prática.

Alguns critérios precisam ser levados em consideração nesta escolha:

  • Aspectos pessoais – entre eles:
    • empatia, confiança, competência.
  • Aspectos técnicos – é importante saber:
    • a linha de trabalho do profissional (alopatia,  homeopatia, antroposofia, naturalista), que precisará ser coerente com as escolhas dos pais a respeito de saúde.
    • flexibilidade e o bom senso do profissional, por exemplo, em relação às vacinas, uso de antibióticos, e momento de desmame.
    • recomendações em relação ao uso criterioso ou não de medicamentos como no caso de cólicas e gases.
  • Aspectos estratégicos – é preciso considerar:
    • proximidade, disponibilidade, cobertura quando está fora da cidade, equipe de apoio.
    • pronto-socorro indicado, possibilidade de atendimento domiciliar, canais de comunicação como celular, telefone residencial, telefone do consultório, e-mail, etc.
  • Aspectos econômicos – avaliar pediatra do convênio e pediatra particular, uma vez que alguns planos de saúde incluem reembolso e livre escolha do profissional.

No curso de Preparação para o Parto e Cuidados com o Bebê  os pais têm a oportunidade de conversar com dois pediatras tratando de aspectos do aleitamento materno e dos cuidados com o bebê. A ideia é que se aproximem de uma especialidade que passará a acompanhá-los toda semana, se necessário, no início do aleitamento materno. E depois quinzenalmente e mensalmente até os 12 meses de idade da criança.