Se amamentar não é apenas uma questão de técnica, como facilitar a sua vida e a de seu bebê? O período que exige maior atenção é a primeira semana de vida do bebê. As mamas tendem a produzir mais leite que o bebê necessita e por isso mesmo podem ficar muito cheias e doloridas, dificultando a pega do bebê. Em outros momentos o bebê parece tão guloso que a mãe fica em dúvida se conseguirá alimentá-lo e satisfaze-lo.

Não podemos esquecer que existem os mais variados “tipos” de bebês. Alguns sugam o peito com mais avidez já nas primeiras mamadas e satisfazem-se em 5 a 10 minutos. Outros só conseguem mamar eficientemente dias após o nascimento, necessitando de mais tempo para satisfazerem-se. É comum os recém-nascidos adormecerem ao peito sem mamarem o suficiente, levando-os a acordarem de hora em hora.

O contato com o corpo materno durante o aleitamento é fundamental para o desenvolvimento afetivo-emocional do bebê. Garanta o aconchego, pele a pele, mesmo no aleitamento artificial

No caso de mamas muito cheias, antes de amamentar tome um banho morno para facilitar a retirada do leite. Ainda debaixo do chuveiro, com as mãos em forma de concha, faça uma massagem com os cinco dedos juntos, por toda a volta da mama e chacoalhando-as levemente para “soltar” o leite empedrado.

Ao sair do banho, depois de se enxugar, aproxime o polegar do indicador ao redor da areola, pressionando a mama e ao mesmo tempo forçando a mão toda na direção do seu próprio corpo (afundando a mão no peito). Em seguida ao diminuir a pressão aproxime os dedos na direção dos mamilos, repetindo este movimento de forma rítmica, como se o bebê estivesse sugando. Se o polegar e o indicador estiverem perto demais do mamilo, você poderá sentir dor e não conseguirá tirar o leite. No início saem apenas gotinhas, demora um pouco para o leite começar a sair. Assim que as mamas estiverem mais macias, depois das massagens, ofereça o peito ao bebê. Se ao término da mamada as mamas ainda estiverem muito cheias deve-se repetir a ordenha novamente, até sentir as mamas “macias”.

Posição do bebê para mamar.

É importante que a mãe encontre uma posição confortável para amamentar, seja um sofá ou uma poltrona, que dê apoio às suas costas e a seus braços e que possa apoiar os pés no chão ou em um banquinho. O bebê também sinaliza, a cada mamada, se está confortável.

Mudanças de posição permitem que ao sugar, a língua do bebê comprima distintos locais da aréola materna, minimizando desconfortos. Observe e experimente. Na posição tradicional a barriguinha do bebê fica voltada para o corpo da mãe, com a cabeça apoiada no seu cotovelo esquerdo, e mamando na mama esquerda e depois a mesma coisa do lado direito.

Quando as mamas são volumosas ou os mamilos estão machucados, a mãe pode adotar a posição “invertida”. O bebê, por exemplo, mamará a mama esquerda enquanto é sustentado pelo braço esquerdo e a mão esquerda apoia a cabeça do bebê enquanto a mão direita segura a mama direcionando o mamilo para a sua boca. O bebê ficará com os pezinhos voltados para trás passando por debaixo da axila da mãe e com a barriguinha encostada no corpo dela.

A posição do “cavaleiro” também é boa quando as mamas são volumosas. O bebê fica sentado na perna da mãe, de frente para a mama, enquanto uma mão apoia a cabeça e a outra segura a mama que oferece ao bebê. A mãe deve ser encorajada a experimentar diferentes posições para amamentar principalmente quando seus mamilos estão machucados, porque o bebê faz a pega em outra parte do mamilo, aliviando a área machucada.

Horário e intervalo entre as mamadas.

No primeiro mês de vida a livre demanda costuma ser o melhor caminho. A maioria dos bebês mama a cada duas e meia a três horas podendo esticar ou encurtar esse intervalo. Esse ritmo “desregulado” poderá se manter nos primeiros 2 meses de vida do bebê. Alguns recém-nascidos têm pequena capacidade de sucção e depois de alguns minutos cansam-se e dormem sem ter se alimentado o suficiente. Se sistematicamente o bebê solicitar o peito em tempo menor que uma hora e meia ou maior que quatro horas vale a pena conversar com o pediatra.

Nos primeiros meses de vida, os intervalos entre as mamadas são irregulares. No aleitamento artificial conhecemos a quantidade de leite ingerida, portanto, consegue-se estabelecer um intervalo regular entre uma mamada e outra, que dificilmente será inferior a 2 horas ou 3 horas. É o bebê que estabelece o ritmo das mamadas é importante respeitar este processo para que ele possa chegar a fazer intervalos mais regulares de acordo com suas próprias necessidades. Na aparente desorganização do início do aleitamento pais e bebê vão conhecendo-se e a insegurança inicial gradualmente diminui tornando o convívio mais harmonioso.

Como o leite materno é de fácil digestão em pouco tempo o bebê estará com fome de novo, podendo acordar de hora em hora. Isso não significa que o leite é fraco e que não sustenta. Quando o bebê apresentar este ritmo a mãe precisa acalmá-lo e distraí-lo o máximo possível para aumentar o intervalo e lentamente impor um ritmo com pausa maior entre as mamadas. Mamadas com intervalos curtos além de aumentarem a chance de machucar os mamilos, não satisfazem o bebê.

Oferecer uma ou as duas mamas? A duração da mamada.

Normalmente as mamadas duram de 15 a 20 minutos em cada mama, com intervalo para arrotar ou para a troca de fraldas. Alguns poucos bebês, no entanto, podem se satisfazer com apenas quinze minutos em uma única mama, até a próxima mamada.

Recomenda-se, sempre que possível, que o bebê esvazie uma mama e na mamada seguinte a outra. No entanto é frequente que o bebê precise mamar nas duas mamas para se saciar ou para colaborar com o conforto da mãe.

Quando oferecer as duas mamas na mesma mamada, ofereça primeiro aquela que foi dada por último, na mamada anterior, ou a que estiver mais cheia, para que o bebê tenha a oportunidade de esvaziar bem as duas mamas.

Cada bebê tem um ritmo próprio de sucção. Veja o que é mais adequado a cada momento e lembre-se que os bebês são muito diferentes entre si.

Como trocar de mama? Para interromper uma mamada ou alternar as mamas coloque o dedo mínimo no canto da boca do bebê e pressione levemente, desfazendo o vácuo e fazendo-o soltar naturalmente o mamilo. Não puxe o bebê enquanto ele estiver sugando, pois a força da sucção poderá machucar o seu mamilo. Mantenha as unhas limpas e aparadas e lave as mãos no início de cada mamada.

E quando colocar para arrotar?  sempre muitas dúvidas nas primeiras semanas de vida do bebê. Mas o que é o arroto afinal de contas? Quando o bebê está mamando seja no peito ou na mamadeira é comum ele engolir um pouco de ar. O ar entra até o estômago e depois, por ser mais leve, volta e quando o ar volta, o bebê arrota. Dez minutos são suficientes para colocar o bebê para arrotar toda vez em que ele termina de mamar. Se ele não arrotar, provavelmente é porque não engoliu tanto ar assim durante a mamada, ou a mãe não ouviu o arroto, porque ele nem sempre faz barulho. Quando o bebê quer arrotar e a mãe já o colocou para dormir, é quase certo que começará a se mexer no berço e a reclamar, e arrotará assim que for pego no colo. Isso é muito comum de acontecer.

Muitas vezes  uma ajuda pontual pode fazer com que o aleitamento flua melhor. Leia outros textos do site e agende uma visita domiciliar.