A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda o aleitamento materno exclusivo nos primeiros 6 meses de vida.

A interrupção do aleitamento é um processo que se inicia com a substituição de uma ou mais mamadas por outros alimentos. Mesmo com a volta ao trabalho e novos alimentos na rotina do bebê, pode-se manter a mamada da manhã e da noite.

Cada cultura e cada família entende o mamar e o desmame de jeitos diferentes, ao longo do tempo.

O desmame total tende a ocorrer, em função do desejo da mulher e/ou da criança, entre os 12 ou 18 meses. Prolongar a amamentação até os 2 ou 3 anos tende a comprometer a autonomia da criança. Assim, cada família encontrará a melhor época para o desmame.

Iniciar um processo de desmame pode ser difícil para algumas mulheres porque perdem o contato corpo a corpo com o filho. Outras recuperam uma bem-vinda sensação de autonomia e liberdade. Os bebês sinalizam quando podem começar a se relacionar com outras pessoas, inclusive para se alimentar. Muitos pais e avós esperam ansiosos por esse momento.

Quando crescem os bebês gostam de testar a sua força e observar a reação que provocam quando mordem o seio materno.

A mulher precisa proteger-se das mordidas, dizendo para o bebê, com voz firme e tranquila, que ele não pode morder. É importante que a mãe não revide e que o bebê perceba que ela “sobrevive” aos seus ataques e continua gostando dele.