A mulher, a família e equipes de saúde precisam estar preparadas para driblar dificuldades comuns ao início do aleitamento materno.

•  Uma atitude negativa dos profissionais que cercam a mulher que amamenta dificulta a instalação e a manutenção do aleitamento.

•  A mulher não pode ficar sozinha com o bebê nas primeiras semanas. Ela precisa de ajuda. Críticas e muitos palpites atrapalham.

•  Na medida do possível a rotina da casa deve ser mantida, como comida à mesa na hora certa e roupa lavada.

•  Um horário extremamente rígido das mamadas atrapalha a instauração de um ritmo próprio entre a mãe e o bebê. Os bebês também precisam de uma rotina para antecipar o que vai acontecer com eles, aos poucos cada família deverá achar o seu próprio ritmo.

•  A introdução precoce de água, chá ou leite industrializado compromete o equilíbrio entre a produção e o consumo de leite. Ainda na maternidade peça para ser chamada quando seu bebê chorar muito.

•  A demora em pedir ou receber ajuda frente a dificuldades e desconfortos do aleitamento podem criar dificuldades maiores ainda. Não perca tempo.

Outros fatores podem dificultar o sucesso do aleitamento materno:

•  Medo excessivo de não ter leite.
•  Falta de sono e exaustão.
•  Alimentação inadequada.
•  Cultura famíliar: mãe, avós, tias ou irmãs com dificuldades na amamentação.
•  Conflitos do casal em relação à amamentação.
•  Falta de apoio famíliar.
•  Conflito com eventuais sensações prazerosas despertadas pela amamentação.
•  Cirurgias de redução mamárias.

Não desista frente às primeiras dificuldades. Cada processo de aleitamento precisa ser avaliado com cuidado:

Confira a rotina da casa e a rotina com o bebê junto com o pediatra.

Outras vezes uma enfermeira pode ajudar a encaminhar soluções que resultam na efetiva instalação do aleitamento materno.

Na medida do possível a mulher precisa manter o foco no seu bem estar e no bem estar do bebê.

Peça uma visita domiciliar pós-parto para ganhar maior segurança.